Wip lojas

Móveis pelo menor preço! 
www.movelcasa.com.br
Parcele seus móveis em até 12x Sem Juros

http://templatesjoomla.com.br/
Templatee Joomla Profissional!
Templates a partir de R$ 9,90.

Juarez Carvalho, o Titio das baianas da Tijuca Destaque

Publicado em Entrevistas
Juarez Carvalho, o Titio das baianas da Tijuca Foto/Divulgação

Por Ricardo Maia

Desde 1999 na Unidos da Tijuca, Juarez Carvalho é o responsável pela a harmonia das baianas. Mesmo com o troca-troca constante entre as escolas, Titio, como é conhecido entre os sambistas, mantém a mesma dedicação e motivação pelo trabalho realizado perante as baianas da escola. Neste bate-papo com nossa equipe de reportagem, Juarez fala da importância da ala, da seriedade de suas componentes e de transformar o segmento em um quesito passível de julgamento, da mesma forma que é uma bateria, uma comissão de frente... Apesar da interação com sua ala, Titio não tem o hábito de ver as fantasias de baianas antes do desfile, pois para ele ver somente no dia faz com que a surpresa seja bem melhor.

OBatuque.com - Me fala sobre a sua história no samba. Como você começou em escolas de samba?

Juarez Carvalho - Bem, sou nascido e criado em Madureira e como não poderia ser diferente comecei nesse universo em 1968, na Portela. Já em 1970, fomos campeões com “Lendas e Mistérios da Amazônia”.

OBatuque.com - Você já está há um bom tempo na Tijuca, mesmo mudando o principal diretor de harmonia, todavia você continua na sua função. A que você atribui essa estabilidade quase inabalável?

Juarez Carvalho - Realmente, desde 1999. Fui convidado pelo saudoso Candimba e de lá pra cá sempre cuidando de baianas, não sei, acho que é o foco, dedicação, companheirismo, amizade, compreensão e, acima de tudo, respeito por elas.

OBatuque.com - De 2000 para cá, a Tijuca passou a ser uma escola de altos e baixos, inclusive com um rebaixamento, para uma das grandes favoritas ao título, ganhando três carnavais nesse período. Focando em harmonia, o que mudou para a escola se manter nesse mesmo padrão todos os anos?

Juarez Carvalho - Acho que foi o choque de consciência, a união, a vontade de acertar, o tratamento com a comunidade, os segmentos procurando se acertarem como a bateria, com o carro de som e o apoio da diretoria na retaguarda.

OBatuque.com - Falando de harmonia, temos algumas escolas que trazem os componentes nas posições e não deixam mudar, outras já trazem a escola mais solta. Qual é a sua visão sobre essas posições?

Juarez Carvalho - Em ala de baianas a coisa é meio que diferente. Existem baianas que funcionam muito bem em pontas e outras no meio e tem aquelas que fazem a frente da ala e as que compõe a retaguarda. Nessas não se mexem jamais, a menos que ocorra um acidente.

OBatuque.com - No caso especifico das baianas, seu setor hoje na escola, há escolas abrindo mão de baianas idosas, deixando a tradição de lado para priorizar jovens que rodam mais. Na sua ala, as baianas antigas ainda tem espaço?

Juarez Carvalho – Sim. As antigas têm espaço, até porque assim manda a tradição. As que são substituídas é porque saem para igrejas evangélicas, centro espírita e por não aguentarem com as fantasias, pois a cada ano a demanda aumenta muito.

OBatuque.com - Quais os melhores momentos você viveu na Sapucaí?

Juarez Carvalho - Com a Tijuca? Diversos! Sem dúvida os campeonatos.

OBatuque.com - Me fale sobre momentos inusitados ou engraçados que você viveu na avenida.

Juarez Carvalho - Alguns muito engraçados... teve um ano (não me lembro qual) as costureiras confeccionaram fantasias extremamente pequenas apertadas, justas, desconfortáveis, mas o que chamou muito atenção foram os macacões que os seguranças tiveram que vestir. Você imagina um cara de 1.98 de altura tento que usar uma roupa P. Tire as suas conclusões (risos).

OBatuque.com - O que foi mais emocionante, entrar a primeira vez na avenida ou ganhar o primeiro título?

Juarez Carvalho - Acho que ganhar o primeiro título, eu estava com 18 anos, era passista, no auge de minha plenitude, me senti um rei.

OBatuque.com - Há dois anos a Tijuca viveu momentos difíceis na avenida com o acidente do carro. Naquele momento o que passou pela sua cabeça? E qual foi sua atitude com relação aos seus componentes e colegas de escola?

Juarez Carvalho - Bem, quando tomamos conhecimento do ocorrido fiquei arrasado, mas não poderia deixar a peteca cair e partir para cima das baianas, tentando manter o foco com o canto, provocando nelas um contrassenso, pois a única forma de cruzar a pista era fazendo nossa parte de cabeça erguida, onde apesar de tudo arrancamos muitos aplausos, e elas cantando, rodando e chorando. Foi muita emoção.

OBatuque.com - O momento crucial para um bom desfile é uma boa concentração, porém muitas pessoas reclamam da concentração por ser desconfortável, trabalhosa. Você, que cuida de baianas, deve ter um trabalho suado na concentração. Como você prepara as suas baianas? Ajuda a vesti-las, arrumar a roupa, faz a maquiagem etc.?

Juarez Carvalho - Elas são muito comportadas e obedientes, entendo que é cansativo pra todos, mas é necessário que eu as ajude a se vestir e a se despir, pois eu as acompanho até o caminhão, e nós jogamos para dentro do veículo. É um trabalho árduo.

OBatuque.com - Durante o ano como você escolhe as suas baianas. Se elas faltarem aos ensaios, qual é procedimento que você adota?

Juarez Carvalho - Não existem cortes no segmento de baianas (pelo menos na Tijuca) e as que faltam nos ensaios são avisadas para não faltarem novamente. Quanto à escolha, nós colocamos para rodar e avaliamos, caso se saia bem, fica. Do contrário agradecemos e tocamos a bola pra frente.

OBatuque.com - Você acha que baiana deveria ser um quesito exclusivo? Por quê?

Juarez Carvalho - Acho que sim, por ser um segmento, assim como bateria e harmonia.

OBatuque.com - O que você espera do desfile da Tijuca este ano?

Juarez Carvalho - Como todos os anos: o campeonato. Porém este ano, estou com o mesmo pressentimento que tive em 2010, com “O Segredo”. Uma euforia muito grande, pois temos um excelente enredo e um samba, que por si só, diz para que veio.

OBatuque.com - A Tijuca vem com um enredo católico, diferentemente da maioria, que fala da religiões afros. Esse fator ajudou a "reunir" baianas ou atrapalhou?

Juarez Carvalho - Ajudou, até porque apesar de serem baianas, são muito católicas.

OBatuque.com - Você já viu a fantasia das suas baianas? Dá uma palhinha para nós. Será tradicional ou inovadora?

Juarez Carvalho - Eu tenho por hábito não ver a fantasia de baianas, acho que a surpresa é melhor, daí elas já sabem, não falam nada comigo e eu também não quero saber, é um belo jogo.

Deixe um comentário

 

 

Entrevistas

Luiz Carlos Bruno: “Quero voltar a trabalhar para fechar o portão com sabor de dever realizado”

Luiz Carlos Bruno:...

Por Ricardo MaiaFotos: arquivo pessoal A paixão de Luiz Carlos Bruno...

Juarez Carvalho, o Titio das baianas da Tijuca

Juarez Carvalho, o...

Por Ricardo Maia Desde 1999 na Unidos da Tijuca, Juarez Carvalho...

Zezinho Martinez: “As escolas juntas seriam muito mais fortes”

Zezinho Martinez: “As...

Por Vander Fructuoso O presidente da Liga das Escolas de Samba...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Carnaval pelo Brasil

Ex Panicat Tânia Oliveira posa para o Carnaval e fala sobre ansiedade

Ex Panicat Tânia Oliveira posa para o Carnaval e fala sobre ansiedade

Faltando exatos seis dias para o início do desfile do Carnaval Paulistano, na manh&at...

 

icone instagram

Book OBatuque

Extras

fotos

JoomShaper